Generation for
INNOVATION,
RESILIENCE,
LEADERSHIP and
SUSTAINABILITY

MOTIVAÇÃO

O projeto GIRLS é apresentado como uma proposta dos parceiros para promover vários aspectos importantes na Europa, como inclusão e diversidade, igualdade, transformação digital e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (SDGs).
Abordamos o projeto «GIRLS – Generation for Innovation, Resilience, Leadership and Sustainability Let the game begin!» como um jogo, pois partimos do princípio de que a melhor maneira de aprender é «fazendo», neste caso, «jogando».
Atualmente, muitos professores usam metodologias ativas inovadoras em suas aulas para motivar e envolver os alunos em seu próprio aprendizado, mas esse não é o caso no ensino superior, onde não é tão comum mudar o sistema clássico de aulas expositivas. O projeto GIRLS promove o uso de metodologias ativas no ensino superior.

 

A maneira que encontramos é ensinar a jogar jogando, ou seja, vamos nos concentrar em quatro metodologias: aprendizagem baseada em pesquisa, aprendizagem baseada em jogos, aprendizagem baseada em competências e aprendizagem de serviços. Todo o projeto está organizado como um jogo, com pacotes de trabalho que vão desde «O tabuleiro» até «Fim do jogo!», passando por «As regras do jogo» e «O jogo».

O QUE TORNA SUA PROPOSTA INOVADORA?

O primeiro aspeto inovador do projeto GIRLS é o facto de o próprio projeto ter sido concebido como um jogo, em que os pacotes de trabalho são especificados por elementos do jogo: tabuleiro, regras do jogo, o jogo e fim do jogo! O consórcio que apresenta esta proposta pretende, desta forma, começar a utilizar metodologias activas também na conceção de todas as actividades que serão desenvolvidas durante o projeto. Além disso, este projeto fornecerá ferramentas digitais aos membros do ensino superior, a partir da abordagem da aprendizagem pela prática. Cada uma das ferramentas utilizadas será devidamente documentada e será fornecido o material necessário para dominar a sua utilização.

Outro aspeto inovador é a inclusão de uma entidade de um país terceiro não associado ao Programa. A participação da Universidade Vasco de Quiroga de Morelia, no México, permitirá trabalhar os aspectos da inovação social, digital e educativa num ambiente diferente. Além disso, este parceiro tem experiência de trabalho com a comunidade. No México, estabeleceram aquilo a que chamam estágios, um ano de serviços sociais que os estudantes licenciados devem prestar à comunidade. Desta forma, devolvem à sociedade o que esta lhes deu sob a forma de estudos universitários gratuitos. A inclusão deste parceiro traz um valor acrescentado ao projeto, uma vez que os estudantes e professores universitários poderão aprender com os projectos de aprendizagem-serviço e relacionados com os ODS que estão a ser desenvolvidos e propor novos projectos a partir de uma perspetiva diferente da europeia, uma vez que estas comunidades apresentam uma realidade que não existe na Europa.

Por último, vale a pena mencionar que a parte central do projeto são os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável e as mulheres. Não é definido nenhum objetivo específico para estes aspectos, uma vez que a sua utilização será transversal e constituirá o pano de fundo de todo o projeto.